APRENDA AGORA 96 ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO!

Se você é estudante de Engenharia Civil ou um(a) profissional na área da Construção Civil e possui certa dificuldade em entender ou confunde alguns termos ditos em campo como, por exemplo, pé direito ou esquerdo e contraverga, leia esse post até o final porque nele você encontrará 96 termos de obra!



Quem trabalha na área da Construção Civil já deve ter escutado, pelo menos uma vez, algum termo em obra que não conhecia o significado. Pensando em ajudar no estudo desses usuais termos, elaboramos uma pesquisa e fizemos o resumo abaixo com 96 ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO!


Aduela ou caixão: Elemento para fixação de portas ou janelas, onde são instaladas as dobradiças e a folha de porta ou janela.


Água do telhado: Cada superfície inclinada da cobertura, que inicia na cumeeira e segue até à beirada.


Alisar: Réguas de madeira fixadas nos contornos de portas e janelas utilizadas para dar o acabamento ao conjunto.


Alpendre: Cobertura apoiada por um lado em colunas e em outro na parede do edifício, com a função de proteger a edificação de irradiação direta do Sol e de chuvas.


Ancoragem: Dobra nas extremidades de armações de elementos estruturais que garante a fixação das barras de aço no concreto.


Arranque ou espera: Trecho de armação de pilar preso em outras estruturas antes da concretagem que serve de espera para a posterior armação completa do pilar.


Assoalho: Piso em tacos de madeira ou outro material.


Aterro: Adição de areia ou entulho para preencher o local até o nível desejado.


Baguete: Elemento utilizado para a fixação de vidros em esquadrias, permitindo a remoção do vidro para manutenção ou troca.


Balanço: Ressalto ou parte da construção que se projeta além da sua prumada original sem estrutura de sustentação como pilares e colunas.


Baldrame: Vigamento abaixo da cota da construção que faz parte da fundação.


Bandeira: Peça situada em cima de portas e janelas. Pode ser fixa ou móvel, para ajudar na ventilação e iluminação do ambiente.


Barracão: Abrigo provisório, geralmente feito de madeira, que compõem o canteiro para a administração da obra, seja escritório, almoxarifado ou banheiros.


Batente: Pequeno ressalto onde a porta ou janela se encaixam ao se fechar.


Beiral: Extensão do telhado além da parede externa da edificação com a função de protegê-la da ação das chuvas e da irradiação do Sol.


Betão: O mesmo que concreto.


Betoneira: Máquina que mistura todos os agregados do concreto ou argamassa.


Boneca ou ombreira: Saliência da alvenaria (geralmente 10 cm) para afastar uma porta ou janela de um canto ou da parede.


Caibro: Elemento de madeira onde são fixadas as ripas do telhado. Geralmente com seção quadrática, este é iniciado na cumeeira e finalizado na última terça.


Caixa sifonada: Caixa que detém uma parte da água, evitando o retorno de mal cheiro. Muito usada em banheiros para interligação das águas servidas do lavatório à tubulação sanitária do vaso sanitário, servindo também como ralo para lavagem do banheiro.


Caixilho ou moldura da esquadria: Parte da esquadria onde se encaixam os vidros de janelas e portas.


Caixinha 4x2: Caixa de passagem elétrica de plástico embutida na alvenaria onde serão instalados pontos elétricos como interruptores e tomadas e demais pontos. É onde os eletrodutos flexíveis se encerram ou se encontram. Tem dimensões em polegadas de 4x4 ou 4x2.


Calha ou bica: Canal que recebe as águas da chuva e as conduzem para as tubulações verticais.


Cap: Tampão de tubulações, usado para isolamento de rede.


Capitel: Elemento localizado na parte superior de pilares, cuja a função é transmitir os esforços, usualmente de lajes para pilares.


Claraboia: Aberturas de teto que auxiliam a entrada de vento e iluminação nos ambientes.


Cobogó: Blocos cerâmicos, de cimento ou de vidro, vazados com função de permitir a entrada de ar na edificação.


Conduíte: O mesmo que eletroduto flexível, eletroduto corrugado para a passagem de cabos.


Contrapiso: Camada de argamassa niveladora do piso antes do assentamento do revestimento, geralmente possui de 3 a 5 centímetros.


Contraventamento: Elementos da estrutura e esforços da construção contrários a ação do vento, conferindo à construção uma maior rigidez.


Contraverga: Pequena viga de concreto aplicada na parte inferior de janelas com a função de evitar fissuras na parede.


Cumeeira: A linha mais alta de um telhado, onde as águas do telhado se encontram.


Desempenadeira: Ferramenta usada para aplicação e espalhamento da argamassa sobre as paredes e pisos para o assentamento de revestimentos.


Desvão: Espaço entre o forro e o telhamento da edificação.


Empena: Cada parede onde a cumeeira do telhado se apoia, em posição perpendicular à cumeeira. A forma superior da empena coincide com a inclinação das águas do telhado (geralmente um triângulo).


Escora: Peça metálica ou de madeira que sustenta a forma de um elemento estrutural até que o mesmo obtenha sua resistência de sustentação própria.


Estribo: Elemento da armação que é colocado transversalmente a armadura principal, com a função de estabilizar o posicionamento das barras e resistir os esforços cortantes.


Fiada: Fileira horizontal de blocos, tijolos ou pedras assentadas com argamassa na mesma altura.


Fissura: Pequena abertura superficial no concreto ou alvenaria.


Fita vedarosca: Fita branca utilizada nas roscas das conexões em pvc soldável com a função de vedar todos os vazios que possam ficar do enroscamento.


Folha da porta: Parte móvel da esquadria responsável pela abertura e fechamento do vão.


Forro: Isolamento dos ambientes com o telhado ou laje, revestindo todo o teto e conferindo isolamento térmico e acústico. Pode ser de gesso, pvc, madeira, tecidos, entre outros.


Fossa séptica: Estrutura subterrânea feita de concreto ou alvenaria, onde os esgotos são acumulados e decantados.


Gabarito: Traves de madeira implantadas ao redor da obra nas suas limitações, para auxílio da marcação e locação de elementos da construção.


Gambiarras: Instalações provisórias para auxílio na execução de serviços.


Gerica: Tipo de carrinho de mão no qual sua bacia de transporte é mais funda.


Grua: Torre mecanizada que contém um braço na sua extremidade superior que transporta cargas verticalmente, podendo girar sobre o seu eixo. Usado para vencer grandes alturas e transportar cargas pesadas.


Hidra: Tipo de válvula muito utilizada antigamente para a descarga de vasos sanitários, onde a tubulação é ligada diretamente no vaso dispensando o uso de uma caixa acoplada. Este sistema não é muito utilizado mais pela sua complexa instalação e alto desperdício de água.


Jaú ou andaime suspenso: Tipo de patamar sustentado por cabos de aço que são fixados na cobertura da edificação. Com o auxílio de uma catraca ligada aos cabos de aço, o jaú é levantado ou abaixado. Muito utilizado em serviços em fachadas de edificações.


Junção: Conexão tubular com derivação lateral formando um ângulo de 45°. Esta derivação também pode ser de redução a uma bitola menor. Muito usada na rede sanitária e de drenagem.


Ladrão: Tubulação localizada na parte superior do reservatório que serve como “fuga” da água em excesso, evitando o transbordamento.


Luva: Conexão usada em emendas retas de tubos hidrossanitários.


Mangote: Mangueira emborrachada utilizada para lançamento de concreto.


Mangueira de nível: Mangueira transparente de pequeno diâmetro que completada com água é possível tomar o mesmo nível em diferentes pontos da obra.


Manilha: Grandes tubos feito em concreto ou barro. Usualmente usado em galerias de drenagem ou rede de esgotos.


Mão francesa: Peça de madeira do telhamento dispostas diagonalmente para o apoio de outras peças do telhamento em balanço na parede.


Marcação ou locação de alvenaria: Blocos assentados, geralmente em interseções de paredes, para demarcação e alinhamento das paredes. Pode ser assentado também a primeira fiada inteira.


Marquise: Cobertura que se projeta além da edificação, geralmente para proteger portas de entradas.


Meia-água: Telhado com uma só inclinação, ou seja, apenas uma água.


Mezanino: Andar intermediário entre dois pavimentos com pé direito alto ou com pé direito duplo, geralmente feito em estrutura metálica ou em madeira.


Nembo: Parte de parede localizada entre 2 vãos, sejam janelas, portas ou aberturas.


Nicho: Cavidade em paredes em formato cúbico para abrigar prateleiras ou armários. Pode ser feito em projeção além da parede também, geralmente feito em madeira para receber objetos, como item de decoração.


Oitão: Chamadas assim as empenas das extremidades da edificação.


Parapeito: Proteção de queda, geralmente à altura do peito, encontrado em varandas, janelas, terraços, entre outros. Diferentemente do guarda corpo, o parapeito é um elemento inteiro, sem balaústres ou grades.


Parede solteira: Parede com altura inferior ao forro ou pé direito. Não chega ao teto.


Patamar: Piso intermediário localizado entre os lances de escadas, rampas e diferenças de níveis.


Pé direito: Distância entre o piso e o teto do ambiente.


Pé direito duplo: Pé direito com altura próxima ou igual a duas vezes a altura do pé direito adotado como padrão da edificação.


Pé esquerdo: Altura entre o piso e o piso do próximo pavimento. Mais usado em projetos de escadas.


Peitoril: Base inferior de abertura de janelas, usualmente em mármores ou granitos, geralmente são assentados com a função de acabamento e impermeabilização.


Pérgola: Viga de madeira ou concreto aplicada em áreas abertas para apoio de vasos de plantas ou outros objetos. Uma série destas pérgolas é chamado de pergolado, muito usado para segurança de áreas abertas de residências.


Pilastra: Pilar que possui uma de suas faces contida na edificação, ou seja, pilar fundido numa parede.


Pingadeira: Corte dado em peitoris e beiras de elementos para evitar o escorrimento da água pela parede.


Piquete: Pequenos pedaços de madeiras usados para marcar pontos da locação de elementos da construção.


Pivotante: Tipo de esquadria em que o seu eixo é localizado no meio em forma de pivô vertical, permitindo um movimento giratório horizontal.


Platibanda: Parte das paredes das extremidades da edificação que tem altura maior que o telhado, escondendo-o. Muito utilizado para detalhes arquitetônicos de fachadas.


Ponteiro: Ferramenta usada para furar elementos como lajes, vigas, blocos, massas, entre outros.


Radier: A laje inferior da fundação em placa, onde os pilares se apoiam.


Rebarba: Excesso de argamassa proveniente do assentamento de blocos ou irregularidades ressaltantes de uma superfície.


Régua ou sarrafo: Perfil retangular de alumínio ou madeira usado para nivelar pisos e paredes com a argamassa ou concreto ainda não endurecidos.


Respaldo: Última fiada de tijolos da alvenaria no encontro com o forro.


Rufo ou algeroz: Elemento de proteção dos pontos de encontro entre telhados e paredes, para evitar o escoamento de água pelas paredes. Podem ser em placas de concreto ou em chapas de alumínio.


Sanca: Moldura feita em forros de gesso nos encontros com as paredes.


Segunda-feira: Marreta grande de 5kg. Muito utilizada para demolições pesadas.


Sifão: Conexão localizada na saída de bacias que tem a função de deter água para não haver o retorno do mal cheiro proveniente de águas servidas.


Soleira: Base inferior do vão de portas. Arremates na mudança de acabamentos de pisos.


Tabeira: Faixa em madeira de contorno do perímetro do telhamento, localizada no arremate dos caibros.


Talhadeira: Muito parecida com o ponteiro, mas esta é utilizada para raspagem ou quebras com o formato diferente que o ponteiro causa. A diferença das duas ferramentas está na sua ponta, a talhadeira tem uma ponta em formato de lâmina e o ponteiro com formato de um cone.


Tapume: Isolamento da obra feita com tábuas e Madeirit ou placas metálicas.


Tê: Conexão hidrossanitária com derivação lateral, em forma de um “T”.


Tesoura: Treliças de madeira que apoiam outros elementos do telhamento, principalmente as terças.


Tina: Recipiente para ser colocada a argamassa a ser utilizada pelo pedreiro (ou outro profissional). A depender da altura do serviço pode-se ter o auxílio de um apoio. Pode ser feita em obra com madeira ou em plástico.


Torquês ou torquesa: Ferramenta muito utilizada pelos armadores para serviços com arame, como pontear, apertar e cortar.


Treliça: Cruzamento de ripas de madeiras. Para função estrutural, são elementos de sustentação constituídos por cruzamentos de barras, de madeira, metal ou alumínio.


Trinchão: Ferramenta muito utilizada em obra em limpeza, pinturas grosseiras, aplicação de produtos e molhagem de argamassa para desempolamento.


Verga: Pequena viga criada ou colocada sobre vãos de portas e janelas, para sustentação de alvenaria superior e melhor distribuição de esforços.



Leia também sobre o Planejamento de comunicação em projetos de construção civil!


Curtiu esse conteúdo? Salve na sua lista de leitura para que possa consultar sempre que surgir alguma dúvida! Compartilhe com seus amigos que também vão gostar de aprender e nos siga nas redes sociais que estão mencionadas abaixo!


Agradecemos a sua atenção e até o próximo blogpost, querido(a) leitor(a)!!!



REFERÊNCIA

MELO, Vinícius Almeida. Dicionário Ilustrado de Termos da Construção Civil. São Cristóvão, 2016. 85 p.

Destaque
Recentes

Você sonha, a gente concretiza!

icons8-whatsapp-400 (1).png
icons8-instagram-400.png
icons8-facebook-400.png

Av. Antônio C. Magalhães, 510 - Santo Antonio, Juazeiro - BA - CEP: 48902-303
Acima do prédio do RU, UNIVASF

Tel: 74 9 8849-2766

E-mail: contato@concretizejr.com

Concretize Jr.

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados